segunda-feira, 19 de abril de 2010

Músicos utilizam elementos originais dos consoles para gerar diferentes sonoridades

Você pode não se lembrar, mas essa sonoridade provavelmente um dia já foi familiar aos seus ouvidos.
Bom, se em algum momento da sua vida você já jogou GameBoy, agora entendeu o recado. Essa é a Chipmusic, um estilo de música eletrônica que cria sons a partir de computadores e videogames antigos bastante famosos, como MegaDrive, Master System, Atari e Nintendinho.
"O Game Boy tem um chip de som que tem quatro canais. Dois canais são de pulso, tem um que faz outro tipo de som e outro é só barulho, ruído. E a partir desses parâmetros a gente consegue imitar som de bateria, imitar som de baixo", explica o jornalista e fã de chip music, Filipe Rizzo.A técnica é bastante conhecida em países como Estados Unidos, Suécia e Inglaterra, mas no Brasil só começou a ganhar fãs em 2008. Um ponto a favor dessa nova maneira de compor músicas é o baixo custo, já que os consoles velhos podem ser comprados em qualquer lugar e a preços bem camaradas.
"Isso que é legal, a internacionalização. É uma coisa que é igual para todo mundo, todo mundo tem acesso a isso, aos mesmos programas, aos mesmos hardwares. Todo mundo tem as mesmas coisas, só vai depender da criatividade da pessoa", exemplifica Rizzo.Para começar a criar alguns sons, é preciso apenas de um videogame e um software específico, chamado de Tracker, que roda tanto em sistemas operacionais Windows quanto em Linux. A partir daí, é tudo feito na base do improviso de quem está tocando!
"No programa você coloca a nota 'dó', por exemplo. Aí você vai sequenciando as notas conforme as linhas e ele vai tocando a música conforme você colocou. E é só basicamente isso, tem que programar um instrumento que faz um tipo de som, e a partir desse som, da junção dos sons, a gente consegue montar uma música inteira", conta o jornalista.

Eduardo Veloso é músico há 10 anos e já foi guitarrista de uma banda de Metal. Recentemente descobriu a chipmusic, e ele garante que a adaptação ao novo estilo musical não foi nada de outro mundo.

"Eu tive bastante facilidade porque digamos que eu estava com muita vontade de fazer música com aquela sonoridade de videogame", revela o músico Eduardo Veloso de Melo.Se você quiser saber mais sobre essa curiosa técnica musical, acesse os links acima e veja os sites que disponibilizamos. Lá você vai conhecer mais sobre o Chippanzé, um grupo criado pelo Filipe e pelo Eduardo,que desenvolve diversas músicas baseadas na sonoridade de joguinhos antigos. Tem também uma matéria com um show feito apenas com músicas de videogame, além de um outro artista que transforma brinquedos velhos em instrumentos musicais.


Links desta matéria:

Maluquices Digitais

Chippanze

Fonte: Olhar Digital